Flores

Arranjos de flores da igreja

Arranjos de flores da igreja


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Arranjos de flores da igreja: como fazê-los


A realização de composições florais para a igreja requer o respeito de algumas normas fundamentais em consideração ao local específico a que se destinam. Antes de tudo, deve-se enfatizar que as flores podem ser uma parte fundamental da celebração litúrgica, como uma forma artística que se revela como uma parábola do amor divino. Em particular, as flores representam um exemplo da gratuidade do amor de Deus, uma vez que são inúteis, pelo menos na aparência, em um mundo que constantemente busca eficiência e produtividade; mas também são um exemplo da esperança que advém do amor de Deus, em virtude de seu contínuo e fiel reaparecimento, uma vez por ano, em uma realidade insegura. Ainda assim, as flores constituem uma parábola extraordinária e surpreendente da pureza do amor de Deus, dada a sua beleza sem artifícios, que se destaca contra um mundo muito sofisticado, mas acima de tudo a discrição desse amor, porque discretas e silenciosas se revelam. eles mesmos. Além disso, as composições florais destinadas à igreja se destacam por sua delicadeza e fragilidade em um contexto real que muitas vezes é proposto como violento.

A arte floral litúrgica



Do ponto de vista histórico, a arte floral litúrgica remonta, originalmente, à contemplação do tríptico "Portinari" por Genevieve Vacherot: sua intuição, que em pouco tempo se transformou em um verdadeiro convicção, era deixar espaço para a palavra divina através da contemplação de um buquê, capaz de consolar, transformar e intuir. De fato, através dos elementos naturais, e em particular das flores, é possível falar de Deus em conexão com as Escrituras Sagradas, abordando uma comunidade específica; e, sempre através das flores, pode-se orar, voltando-se para Deus, para adorá-lo e pedir sua intercessão. Portanto, é evidente que cada espaço litúrgico decorado para uma ocasião específica com o material disponível de acordo com uma disposição ponderada se torna parte de um círculo que serve para exaltar o altar da criação do ponto de vista artístico. Especificamente, existem várias partes que podem ser decoradas com decorações florais: a cruz, o ambo, a vela da Páscoa, o batistério e o altar. No entanto, não se diz que haja apenas uma ocasião litúrgica que pode ser dada flor: seja um simples domingo ou um casamento rico, um puro batismo ou um funeral, cascas de árvores, mentiras, musgo, toras, xícaras e vasos podem ser usados ​​com flores (cores, números e espécies diferentes) para criar diferentes composições e buquês, retos, redondos, triangulares, elle etc. Sendo uma arte, a dedicada à liturgia floral não tem um objetivo imediatamente prático, mas é aprendida e dada em benefício de toda a comunidade. Para recordar as palavras de Genevieve Vacherot, as flores não servem para decorar, mas significam, já que a igreja é o lugar onde tudo, além de bonito, deve ser significativo.

Como operar concretamente



Especificamente, como devemos agir concretamente? Antes de tudo, é necessário selecionar os elementos que serão úteis para indicar a linha principal que constituirá a estrutura geral do buquê. Quando se trata de escolher, é feita referência, em primeiro lugar, à capacidade de eliminar. Em outras palavras, precisamos de uma atenção precisa que permita identificar apenas os ramos bonitos e delicados, como a característica de um calígrafo, capazes de fornecer um significado e um sinal. A arte de decapagem é, portanto, particularmente difícil e exigente. Se é verdade, de fato, que um excesso de flores acaba matando as flores, o buquê pode não ser capaz de respirar devido à superabundância, que sufoca e obstrui. Portanto, deve haver espaço suficiente entre os vários elementos da planta para permitir que a luz penetre. De fato, a iluminação, dependendo da hora do dia ou da noite, poderá destacar cores e formas específicas. O vazio no ponto focal do buquê é importante, significando recepção e disponibilidade: para um irmão comum ou para o Senhor. Em resumo, como a liturgia se traduz no desejo de servir, respeitando a verdade, é preciso prestar atenção à fácil tentação de cair no puro esteticismo.

Arranjos de flores da igreja: entre em contato com Deus


Um arranjo de flores na igreja não deve apenas ser bonito, mas servir à assembléia, ajudá-la a orar e entrar em contato direto com Deus, e deve, em essência, permitir que a comunidade viva o máximo possível a aliança com a divindade. O buquê, portanto, nunca deve falhar em sua característica mais importante, a saber, estar ao serviço da Liturgia. Nunca acaba em si mesma, as flores devem fazer o olhar dos observadores não parar no aspecto estético, mas ir além, na direção do Outro: por esse motivo, precisamos de um equilíbrio entre os elementos vegetais e o espaço livre: quando fala de vazio não indica o nada do deserto, mas o lugar da transição que nos permite vislumbrar os horizontes mais distantes, o espaço da liberdade. Todas as características do buquê, desde o número de flores até as cores, das formas às dimensões, devem levar em consideração esse princípio básico.